terça-feira, 12 de abril de 2011

A fotografia como inclusão social

Desde a primeira fotografia produzida em 1822 pelo francês Niépce, passando pela foto pinhole (processo alternativo de se fotografar com uma lata escura e um buraco refletindo a imagem em papel fotográfico), à prática de fotografar com filme, revelar o negativo e o papel na luz vermelha do laboratório, e que resultaram em boas fotos produzidas pelos alunos da primeira turma do Curso básico de fotografia e revelação P/B, foi uma longa e prazerosa caminhada. É o que revela Angela do Bem, coordenadora do projeto “A fotografia como inclusão social”, e diretora do Clube Foto Filatélico, atual Ponto de Cultura.
A arte de incluir                 foto de Martin Winter
- Tudo foi muito mágico, demos o ponta pé inicial no projeto que irá beneficiar gratuitamente, durante três anos, mais de três mil pessoas estudantes da rede pública de ensino, interessados na arte de fotografar.

O projeto teve início no dia 14 de agosto de 2010, com a presença de alunos da rede pública de Bananal. Essa primeira turma, composta por alunos das Escolas Municipais José Luiz Ferreira Guimarães e Zenóbia de Paula Ferreira, de Bananal-SP, foi animadora, e os alunos de diferentes turmas e idades ávidos pelo novo, bem educados, participativos estavam realmente interessados em aprender, diz Angela que completa: “Acreditamos que a troca se deu, e que todos nós saimos daqui com algo mais que a iniciação ao mundo da fotografia, ou à arte de revelar, mas principalmente com a revelação de valores, como educação, gentileza, amizade, gratidão”.

A roda da vida!           fotos Angela do Bem
As escolas públicas interessadas em fazer parte do projeto, deverão entrar em contato com a direção do Clube, pelo tel. (24) 3342-6450 / 9976-7725 ou comparecer à sede que fica na rua 19, nº 21 – Vila Santa Cecilia, ou ainda pelo email contato@clubefotovr.com.br.

Imagens sendo reveladas


O que são os PONTOS DE CULTURA

Os Pontos de Cultura são definidos como iniciativas culturais desenvolvidas pela sociedade civil que estão sendo potencializadas pelo Governo Federal, através do Programa Mais Cultura, em conjunto com os Governos Estaduais, que liberaram recursos para cada um dos projetos culturais selecionados por meio de edital. Lançados na gestão de Gilberto Gil à frente do Ministério da Cultura (MinC) e mantidos na administração de Juca Ferreira, os Pontos de Cultura agregam diversas formas de expressão: música, poesia, literatura, artes plásticas, artes visuais, saúde e dança. Espalhados por todos os cantos do país, eles envolvem as comunidades e seus líderes, um reconhecimento do Ministério da Cultura à ação cultural de tantos brasileiros. Uma cartografia da cultura e da criatividade da população brasileira.
Aula prática no Memorial Zumbi - Vila Sta Cecilia - VR
“Os Pontos de Cultura são espaços permanentes de experimentação, encanto, transformação e magia”, Luiz Inácio Lula da Silva, Presidente da República.
“O Ponto de Cultura é “uma espécie de ‘do-in’ antropológico, massageando pontos vitais, mas momentaneamente desprezados ou adormecidos, do corpo cultural do País”, Gilberto Gil, ex-ministro da Cultura.

Um comentário: